segunda-feira, 1 de novembro de 2010

SORRIA

A Revista Sorria publicou uma matéria sobre cicatrizes que marcaram a pele - e a vida - de seus leitores. Mandei então a história de uma cicatriz da minha adolescência, que foi publicada na Sorria nr 15. 

Querem ver como eu era arteira?
______________________________________________________________
Maria Isabel Sáenz de Zumarán Medeiros

Eu tinha 14 anos e estava passando a noite na casa de uma amiga, já que nossos pais haviam ido juntos ao cinema.  Nós duas resolvemos então brincar com as pessoas que passavam na calçada  pela  janela do quarto do sobrado. Fazíamos “psiu!” e nos abaixávamos rapidinho para que ninguém nos visse. De repente vieram dois rapazes, e nós fizemos "psiu"! Eles  ficaram ali parados para ver se descobriam de onde é que havia vindo o tal ""psiu". Com uma sensação de quem está fazendo coisa errada resolvemos aparecer na janela. Eles nos pediram então que fossemos até a esquina para conversarmos. Mentimos dizendo que estávamos indo,  mas o que nós  queríamos  mesmo era   vê-los esperando  pela gente com cara de bobos. Decidimos descer e nos esconder atrás das plantas do jardim para espiá-los de longe. Descemos as escadas  feito loucas, nervosas com a "arte", e naquela corrida o anel que eu usava enganchou-se na fechadura da porta da cozinha e partiu-se  encravando bem fundo na carne!

A empregada acudiu atraída por meus gritos e minutos depois ela e eu passávamos a pé na frente dos tais rapazes, que olhavam sem entender nada. Eu aos prantos e com a mão enrolada em um pano ensanguentado!

De táxi, fomos até o hospital onde meus pais nos encontraram mais tarde e daquela noite restou a lembrança e a cicatriz de seis pontos que levei em volta do dedo e que hoje uso como um "lindo anel da minha adolescência"!

-  - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -.

Leia as outras histórias de cicatrizes publicadas! Tem cada uma!!
Marcado na Pele 

Nenhum comentário:

VOCÊ TAMBÉM VAI GOSTAR DISTO:

Related Posts with Thumbnails