sábado, 10 de julho de 2010

Os pais devem - ou não - influenciar os filhos na escolha da religião?


- Vocês não dão liberdade de escolha para seus filhos!!
É o que dizem alguns amigos e parentes  por tê-los criado no cristianismo desde pequeninhos. Afirmam que cada um tem que escolher sua religião e os pais não devem  influenciá-los quanto a isso. E é bem isso que fazemos, pois desde sempre  os levamos à igreja, acampamentos, cultos infantis, piqueniques, reuniões de adolescentes e  jovens.  E tem mais! Além de todas essas atividades ainda temos os momentos devocionais em família, onde  eles   tem  a oportunidade de expôr  seus pontos de vista, tirar dúvidas,  discutir algum assunto bíblico e dessa forma o caráter cristão vai sendo formado neles.
____________________________________________
 Maria Isabel Sáenz de Zumarán Medeiros
Bem sei que os críticos tomam como base o sistema democrático em que vivemos. A idéia de liberdade política  acabou contagiando diversas áreas da vida e além da liberdade de  voto,  somos livres   para escolher nossa opção sexual,  fazer aborto, fazer uso de drogas, trocar de cônjuge quando bem entendermos,    escolher a religião que quisermos,  ir e vir de onde e para onde desejarmos e tantas outras liberdades que a sociedade tem   “conquistado”. Digo “conquistado” entre aspas, porque muitas vezes a conquista é de apenas um grupo que, através de uma estratégia de marketing  bem aplicada impõe, isso sim,  suas preferências  danosas à sociedade através de lobbys e da mídia em geral. Mas isso é assunto para outra postagem.

Pensando na falta de liberdade de escolha religiosa  a que nossos filhos foram submetidos, resolvi  fazer um exercício de imaginação,  propondo mudanças em casa, como se eu tivesse   decidido aplicar a tal liberdade, que para ser liberdade mesmo abordaria várias áreas da vida no lar, e não apenas a liberdade religiosa, certo?

Assim sendo, vamos ao exercício:

1) A partir de hoje  vou deixar meus filhos livres para decidirem se querem ou não almoçar  com  a  família ao redor da mesa. Afinal, o carinha pode estar jogando  vídeo-game e não vai querer  parar naquela hora, só porque eu decidi terminar o almoço!Então, que coma onde  e quando achar melhor, certo?

2) E também tem aquele assunto da escola. Nossa filha não quer mais  saber de estudar  na escola que escolhemos. Quer mudar,  quer freqüentar outra escola onde sua amiga estuda.  Então esta semana mesmo   vou tratar da transferencia, não me importando com o fato da escola ser mais longe de casa, porque afinal, ela é livre para escolher e nós temos que respeitar!

3) Ah, me lembrei de outro assunto. Como não havia pensando nisso?  Legumes e verduras todos os dias? Ninguém merece!! Vou encher a geladeira de salsichas e nuggets daqui prá frente.  E de muuuito sorvete também, e bastaaaaante chocolate pois são as sobremesas preferidas aqui em casa. Frutas? Não mais.  Até que vai ser bom não ter que ir à feira toda semana.  Como pude ser tãão tonta e ainda ficar complicando minha vida sem necessidade!

4) Mais uma coisa. Puxa vida, eu também não havia me tocado disso: ensiná-los a serem bem educados é o fim do mundo nos dias de hoje! Somos mesmo muuuito caretas !Prá que ensinar  a cumprimentar os pais dos amigos quando forem às suas casas e a se despedir deles ao saírem? Ninguém mais faz isso... Comer de boca fechada? Não fincar os cotovelos na mesa? Manejar bem os talheres? Ceder seu  lugar aos mais velhos? Ora, ora, quaaanto tolhimento de liberdade!  E eu, que achava que isso era o certo a fazer...

5) O triste é que  para algumas coisas já é tarde demais, fazer quê.  Um exemplo  disso é o fato de que agora nossos filhos já gostam de ler.  É que os estimulei  desde pequenos lendo histórias pra eles na cama, comprando bons livrinhos e espalhando-os em vários pontos da casa. Também gastei tempo  meu e deles, coitados, levando-os às livrarias para que escolhessem um livro que lhes agradasse. Caramba! Não havia percebido  que isso também era “forçar a barra” querendo que fossem como eu, bons leitores.

6) E fazer sexo então? Ah, esse assunto pega!  Nenhum pai acha bom que sua garotinha de 14 anos ou seu meninão de 15 saiam por aí fazendo sexo com seus “ficantes”, mas, tadinhos desses pais, se sentem tão impotentes diante da liberdade sexual de hoje que já que não conseguem remar contra a maré... compram estoques de camisinha e liberam o quarto dos filhos para ao menos, saberem que  estão fazendo sexo “s e g u r o” na segurança do lar!! É... nesta casas estamos mesmo na contra-mão do mundo! Vou hoje mesmo à farmácia fazer um estoque de camisinhas, já que tenho quatro filhos dos 14 aos 19 anos!!  Haja dinheiro! Bom, mas pensando bem, até que vou economizar um monte deixando de pagar os acampamentos da igreja  e comprando mais  livros prá eles!

Bem, talvez os críticos achem que desse jeito nossos filhos serão mais felizes, pois serão LIVRES AFINAL!! (Claro, que o certo teria sido agir dessa forma desde que nasceram, mas... não deu).

E sabem porque não deu?

Porque nós, os pais, cremos que:

1) Almoços ao redor da mesa contribuem para a união familiar;
2) A escola que escolhemos lhes dará a base necessária  que os levará à uma boa universidade;
3) A  alimentação saudável evitará doenças e sofrimento para eles mais tarde;
4) Gentileza e educação tornam a vida mais leve;
5) Pessoas cultas e bem informadas podem mudar o mundo;
6) Sexo fora do casamento traz culpa, sofrimento, doença e morte .
7) E porque garantimos que a Palavra de Deus os livrará de :
   mentiras, promiscuidade, intolerância, falsidade, criminalidade, indiferença, orgulho, egoísmo, 
  corrupção, descontrole emocional,  preguiça,  traição,  difamação, ódio, vingança e tantas outras
  coisas consideradas como fraquezas humanas  as quais  Deus chama de "pecados", e que  são
  tratadas na vida cristã através de Sua Palavra.

Será que ao refletir sobre esses pontos os críticos da educação cristã se darão conta de que é impossível criar filhos sem deixar neles as marcas de nossas crenças? Porque deveriamos orientá-los e influenciá-los em  sua formação acadêmica, sua vida social, sua saúde física e emocional, mas temos que deixá-los livres quanto à sua vida espiritual?  Além de ser um contrasenso seria uma desobediencia a Deus, pois Ele nos diz em Sua Palavra:

“Ensina a criança no caminho em que deve andar, 
e ainda quando for velho não se desviará dele.”
Pv. 22.6





Nenhum comentário:

VOCÊ TAMBÉM VAI GOSTAR DISTO:

Related Posts with Thumbnails