quinta-feira, 18 de março de 2010

GANGUE DE MENINAS

Hoje pela manhã o programa da Record, HOJE EM DIA (um programa de notícias, prestação de serviços e entretenimento) noticiou que uma gangue de meninas havia atacado uma  garota de 12 anos  que havia "roubado" o namoraradinho de uma delas. A gangue resolveu esperá-la na porta da escola e ao  longo de 3 quarteirões 15 meninas a jogavam no chão, chutavam e davam socos. A garota foi parar no hospital com ferimentos leves e hematomas por todo o corpo.
_______________________________________________________
Maria Isabel Sáenz de Zumarán Medeiros

O programa então convidou uma psicóloga para falar sobre o comportamento dessas gangues femininas, que tem se tornado cada vez mais comuns,  principamente nas periferias das cidades. Que triste foi ouvir a opinião dessa psicóloga! Nas mãos de quem estão nossos jovens... Me deu uma vontade enorme de ligar para a Record e gritar: "CORTA! TIRA DO AR!"

Segue parte da entrevista, com alguns comentários meus em roxo:

Entrevistador:
- O que a senhora tem a nos dizer sobre esse comportamento?
Psicóloga:
- O que acontece é que as meninas estão imitando o comportamento dos meninos cada vez mais...
Entrevistador:
-E porque isso acontece? É normal?
Psicóloga
-Até certo ponto é normal. Elas querem ver que mundo é esse (o mundo masculino). É também um reflexo do fato da mulher estar ocupando mais seu lugar na sociedade!
Entrevistador:
- A senhora acha que a família é culpada por essa situação?
Psicologa:
(Pasme) - Também não é por ai! A família não pode ser culpada de tudo! Culpam a família porque não tem recursos, culpam a família porque a mãe trabalha fora o dia todo, culpam a família porque os pais...
E continuou:
- O que acontece é que os jovens de hoje não tem um espaço para discutirem suas questões.  A escola só vê o que falta no aluno, como rebeldia, irresponsabilidade, etc.  mas não valoriza o que o aluno tem, seus talentos, habilidades.  (hummm... seria a escola uma instituição de caça-talentos?)

Diante dessas preciosidades, destaco dois pontos:


Ponto 1 - A escola é  responsável pela educação moral do aluno

Isentar a família da responsabilidade de educar o próprio filho??  Repassar essa tarefa à escola??
A tal psicóloga criticou a escola, que a seu ver só se preocupa em ensinar matemática e portugues e não  cumpre seu papel  educador!  Ora vejam só:  um homem e uma mulher se casam, decidem ter filhos, dão-lhes casa e comida e... passam a bola para a escola! (Seria bom saber se a tal psicóloga tem filhos...).

A escola tem que se  preocupar, isto sim,  em selecionar e contratar  bons professores e funcionários, treiná-los, adotar um bom método de ensino oferecendo o melhor em termos de material didático, recursos audio-visuais, instalações adequadas, programa pedagógico, aulas extra-curriculares, propiciar a adapatação e integração de seus alunos e algumas atribuições inerentes à atividade à qual se propõe, que é o de ensinar matérias que permitam ao aluno adquirir conhecimentos. Mas, ensinar boas maneiras, respeito ao próximo, respeito à propriedade alheia, valores morais como honestidade, moralidade sexual, ética? Isso não é sua tarefa. Pode ser sim coadjuvante, ou seja, participar da formação integral do aluno, reforçando a educação do lar, mas não assumir a responsabilidade por ela (formação integral).  Isso é - ou deveria ser -  tarefa dos pais! A escola tem que ser escola.  As mães e os pais  são os únicos responsáveis por suprir todas as necessidades de seus filhos -  físicas, emocionais, espirituaisl e morais -  para que sejam cidadãos de bem fazendo uma diferença positiva neste mundo.

                                     Instrução de Deus para os pais (e não para a escola):
       "...mas criai-os na disciplina e na admoestação do Senhor."  
                                                                         Efésios 6.4b


Ponto 2 - Meninas  querem  "ver que mundo masculino é esse."

Deus fez o homem para agir como homem, se vestir como homem,  assumir sua posição na família e na sociedade como homem, e da mesma forma a mulher. Infelizmente há cada vez mais um nivelamento dos sexos neste mundo de pernas para o ar!! Nivelamento de atitudes, vestuário, postura, responsabilidade e até mesmo inversão dos papéis. No jornal A Folha de São Paulo por ocasião do Dia da Mulher havia um artigo com o seguinte teor:  As mulheres estão cada vez mais assumindo funções masculinas e eles (óóh, que coisa estranha!!) não gostam de fazer as atividades delas no lar.  (meu comentárioé irônico, claro)

 O artigo insinuava que isso seria como que um defeito, uma injustiça contra a mulher, sei lá. Homem é homem e ponto! Mulher é mulher, e ponto! Cada um tratando o outro com respeito, admirando-o por desempenhar  seu papel e dando uma força quando for preciso nas tarefas do outro. Elas pode sim consertar a torneira e é claro que eles  podem lavar a louça; elas podem  falar de futebol e eles podem fazer uma deliciosa omelete. Esse não é o ponto. A questão é a mulher achar que pode ser como o homem e vice-versa e que é normal querer experimentar como é que é o mundo do outro!

"Criou pois Deus, o homem à sua imagem,
à imagem de Deus o criou: homem e mulher os criou." 
Genesis 2:27

Não sendo assim, teremos cada vez mais a desestruturação e desintegração da sociedade, cuja célula primeira é a família, definida no Dicionário inForma como: 
"Grupo social fundamental na sociedade, constituido basicamente de um 
homem e uma mulher e seus descendentes." 

... a tal psicóloga faltou na  faculdade no dia em que ensinaram isso... infelizmente!



Obs: Foto da gangue de meninas meramente ilustrativa, retirada do site www.dailymail.co.uk

Nenhum comentário:

VOCÊ TAMBÉM VAI GOSTAR DISTO:

Related Posts with Thumbnails