quinta-feira, 22 de outubro de 2009

AMOR PAIS&FILHOS: COMO ASSIM, UMA OBRIGAÇÃO LEGAL?




No Folha Ilustrada do jornal FOLHA DE SÃO PAULO de 24/09/09 um artigo de Contardo Calligaris faz referencia à reportagem publicada em 20/09 de Johanna Nublat sobre dois projetos de lei que se propõe a legislar sobre o tema acima. "Ambos se baseiam na premissa de que, entre pais e filhos, há obrigações não só materiais, mas também afetivas."
Confesso que fiquei triste quando li a respeito. 
Bem triste! 




Onde foi que  humanidade chegou neste século XXI, a ponto de deputados e senadores legislarem sobre este assunto neste nível? Onde já se viu que pais e filhos venham a ter a obrigação legal de se tratarem com afeto?


Confira:
1º. Projeto: nr. 4.294/08 do deputado Carlos Bezerra (PMDB/MT)
“Os pais devem aos filhos menores a presença e o amor que são indispensáveis para que os jovens vinguem sem carências e feridas que nunca cicatrizariam direito. Reciprocamente, os filhos devem aos pais idosos a presença e o amor sem os quais a vida, na velhice, poderia perder seu sentido.”

2º. Projeto: nr. 700 de 2007 do senador Marcelo Crivella (PRB-RJ)
“Trata só do abandono afetivo das crianças e quer que, aos filhos menores seja garantida a assistência moral , que inclui a orientação quanto às principais escolhas e oportunidades profissionais, educacionais e culturais e solidariedade e apoio nos momentos de intenso sofrimento ou dificuldade.
Esse projeto, diz Calligaris, ”não propõe apenas indenizações financeiras para quem foi abandonado, mas transforma o abandono num crime, punível com a detenção, de um a seis meses.”

O projeto ainda diz que “a pensão alimentícia não esgota os deveres dos pais em relação a seus filhos [...]. Os pais tem o DEVER [sic] de acompanhar a formação dos filhos, orientá-los nos momentos mais importantes” .

Confesso que além de triste com a realidade que motivou estes senhores a redigirem tais projetos,  fiquei com a dúvida sobre quais seriam os "momentos importantes" na vida dos filhos. Será que a festinha de aniversário? O primeiro dia na nova escola? O baile de debutante? A primeira ida da filha ao ginecologista? A cerimônia de formatura? Quem é que  definiria  os "momentos mais importantes"?...

O autor da matéria pergunta ainda “o que dizer sobre os pais dos filhos que saqueiam a casa para comprar drogas? Se eles expulsarem os filhos, irão presos?’’

Contardo Calligaris se questiona sobre como poderiam os projetos em questão legislar sobre tantas variáveis que ocorrem nas relações entre pais e filhos, como por exemplo, se é que o filho terá que indenizar seus pais na velhice caso o filho não corresponda afetivamente ao pai que o rejeitou quando descobriu sua homossexualidade.

Fico triste ao ver como as pessoas se sentem desnorteadas e sem respostas para tais questões. Poderia ser tão simples...

Seria simples SE e apenas SE as pessoas seguissem as instruções de um "manual"! Pronto. Estaria tudo resolvido. Pais criariam tão bem seus filhos que estes seriam adultos felizes. Estes, por sua vez ,seriam também pais amorosos e sábios e assim sucessivamente.
É uma solução tão óbvia que por ser tão óbvia é rejeitada pois o ser humano de modo geral gosta de encontrar soluções difíceis, que deem algum destaque a quem as apresentam já que o óbvio não dá "ibope".

- Mas, existe um manual único e universal para a relação pais e filhos? A resposta é sim. Esse manual existe.
- O que consta desse manual? Constam instruções tanto para os pais como para os filhos. Veja abaixo alguns exemplos de instruções, que se seguidas à risca evitariam-se   "projetos  de lei" como  estes acima:

INSTRUÇÕES PARA OS PAIS

1) Os pais devem ensinar com persistência a seus filhos, o que significa que devem repetir os
ensinamentos quantas vezes for necessário. 
2) Os pais devem ensinar seus filhos sempre que estiverem com eles, seja em casa ou fora de casa. Ou seja, devem aproveitar todas as oportunidades que surgirem para o ensino.
3) Os pais devem ensinar seus filhos todas as noites quando estiverem juntos e também pela manhã.
4) Os pais não devem irritar seus filhos a ponto de deixá-los irados.
5) Caso haja alguma desavença entre pais e filhos a reconciliação deve acontecer no mesmo dia. 
6) O pai deve disciplinar seu filho porque nisso está a esperança de que este lhe dará paz e lhe trará grande prazer à sua alma.
7) Caso o pai negligencie a disciplina é porque não ama seu filho, e assim o filho terá sérios problemas ao longo da vida.


 INSTRUÇÕES PARA OS FILHOS
1) O filho deve acolher as instruções de seus pais e ouvir suas repreensões.
 
2) O filho deve dar alegria a seu pai.
3) O filho deve elogiar a sua mãe todos os dias ao se levantar.
4) O filho que despreza sua mãe é considerado um homem insensato.
5) O filho deve respeitar seu pai e sua mãe. 

 INSTRUÇÕES PARA AMBOS: PAIS E FILHOS

1) Pais e filhos devem ter paciência uns com os outros e evitar discórdias entre eles.
2) Pais e filhos devem sempre ser bondosos e deixar de lado atitudes egoístas, aceitando as diferenças no modo de pensar.
3) Pais e filhos devem buscar a paz a qualquer custo. 
4) Pais e filhos devem ser amáveis e gentis uns com os outros. 
5) Seguindo as instruções deste manual o ódio entre pais e filhos jamais existirá.

Imagine só como seria uma sociedade em que  instruções como essas fossem seguidas!  Deputados e senadores teriam que se preocupar com outras coisas para legislar, não é mesmo? Mas,  será que essa sociedade existe? Sim, em parte existe, já que há quem se esforce por seguir as instruções do  manual. Isso garante que o amor entre pais e filhos se mantenha forte ao longo da vida e não se deteriore diante de qualquer circunstância. 

Esse empenho em manter vivo o amor recíproco entre pais e filhos demostra que é verdadeira em muitos casos a conclusão a que chega Contardo Calligares, quando afirma que a cultura de nossa sociedade é que institui a ilusão de que o amor recíproco seja “natural”. Não, não é natural, porque a manutenção do amor depende do cuidado que temos ao nos  relacionarmos com aqueles que amamos. . 

Conforme o articulista "o amor entre pais e filhos não é garantido nem por lei "(grifo meu). É aí que ele se engana. O que Calligaris não sabe é que o amor entre pais e filhos é garantido sim por uma lei, mas não por uma  lei feita por homens - já que isto seria impossível - mas pela lei de Deus. E essa lei que garante um relacionamento de amor entre pais e filhos é encontrada na Bíblia.  O único "manual" que  vem com Certificado de Garantia Permanente caso seja seguido à risca.  Palavra do Autor.



Nenhum comentário:

VOCÊ TAMBÉM VAI GOSTAR DISTO:

Related Posts with Thumbnails